Agentes Económicos Capacitados em Agronegócio

2021-07-15

Decorre desde ontem na província do Cuando Cubango o acto formativo sobre o agronegócio. O Projecto Implementado pelo Ministério da Economia e Planeamento, o Fundo das Nações Unidas para alimentação (FAO) e o Instituto Nacional de Apoio à Micro Pequenas e Médias Empresas visa capacitar os agentes económicos daquela localidade.
A sessão de abertura foi presidida pela Vice-governadora para o Sector Político, Social e Económico, Adélia Muambeno, em representação do Governador Provincial, Júlio Bessa, acompanhada pelo Director do Gabinete Provincial para o Desenvolvimento Económico Integrado, Roberto Biwango, na presença do Chefe de Departamento do INAPEM e de Sua Majestade Mwangana Vunongue VIII, Rei de Menongue.

De acordo com as palavras do Director do Gabinete Provincial para o Desenvolvimento Económico Integrado, a formação serve para dinamizar o potencial de crescimento e transformação dos sistemas agroalimentares, visando o reforço da estrutura legal, empresarial, aumento de competências de gestão e maior ligação entre o produtor e o consumidor, um acto que decorre desde o dia 15 de Julho do corrente ano, em todo o País.

Por sua vez a Vice-governadora para o Sector Político, Social e Económico, Adélia Muambeno, destacou no seu discurso, a importância que recai sobre esta formação, numa altura em que o Governo Provincial está apostado em criar incentivos para o fortalecimento de parcerias do sector público-privado no modelo de agronegócios inclusivos e sustentáveis para a promoção de investimentos no sector agrário.
A Governante encorajou os participantes na formação a aproveitarem o máximo das exposições a serem feitas e o engajamento total nos trabalhos práticos, colocando ênfase o contexto “saber fazer”, privilegiando a análise e resolução de problemas que visam combater a fome e a pobreza.
Com este plano de formação que se enquadra no programa de apoio à produção, diversificação das exportações e substituição das importações (PRODESI), augura-se um reforço das capacidades técnicas e funcionais dos actores público-privados, com vista a identificar e priorizar as cadeias de valor agroalimentar de maior relevância na nossa Província, como o milho, o massango, a massambala, a mandioca e o feijão.

Partilha nas redes sociais: