Estudo sobre o Mercado da República de Namíbia

2020-05-17

 

Estudo sobre o Mercado da República de Namíbia - Oportunidades Competitivas dos Produtos e Serviços Exportados por Angola

Elaborado por:  Bettina BALMER

Resumo: A vizinha do sul de Angola, a Namíbia, representa na região um pequeno mercado bem organizado com um elevado nível de exigências. Uma democracia sólida, uma boa governação e uma estabilidade política e social têm um impacto positivo directo no clima empresarial. Boas infra-estruturas, canais de distribuição eficientes, segurança jurídica e protecção, completam uma paisagem globalmente boa para as empresas. 

A Namíbia é um mercado aberto, bem ancorado na região. O país é membro de várias organizações de comércio internacional como a SADC, a SACU (União Aduaneira da África Austral, a mais antiga união aduaneira), AGOA (Lei de Crescimento e Oportunidades em África), SPG (Sistema de Preferências Generalizadas), OMC e um Acordo de Comércio Preferencial com o Zimbabué. 

No entanto, com 2,3 milhões de pessoas, a Namíbia continua a ser um mercado limitado que mantem fortes ligações com a África do Sul. E não é uma surpresa observar a alta penetração das empresas sul-africanas através de investimentos diretos, mais especificamente na distribuição de alimentos e materiais de construção, e em outros sectores. 

Além disso, a Namíbia protege alguma da sua indústria nascente, a agricultura, com esquemas e mecanismos, compatível com os seus compromissos internacionais. Mas essas restrições dificultam o acesso ao mercado. 

Devido às suas boas infra-estruturas e ao actual desenvolvimento logístico, a Namíbia também deve ser considerada um país interessante de trânsito para a África do Sul, especialmente para as empresas do Sul de Angola que poderiam encontrar uma vantagem para se concentrarem nos mercados do Sul. 

Até ao momento, poucos bens angolanos entraram no país: entre 2,4 M € e 31,5 M € / ano (período de 2011 a 2015) e estes fluxos não podem ser considerados como um resultado comercial consistente. Pode ser um desafio encontrar um lugar onde as empresas sul-africanas não estejam bem estabelecidas. No entanto, neste ambiente, a economia de escala é difícil de alcançar; portanto, antes de falar de vantagens competitivas, as empresas angolanas devem também considerar vantagens comparativas quando se aproximam da Namíbia. 

Finalmente, neste pequeno mercado, pode-se fazer uma diferenciação entre o norte da Namíbia (um quarto do país) e o resto do território. Existem mais semelhanças culturais e nos padrões de consumo com Angola, nas províncias do Norte do que no Sul.

 

Para aceder ao Estudo sobre o Mercado da República de Namíbia, clique aqui.

Partilha nas redes sociais: