Têxtil, Vestuário e Calçado

Introdução


Em 2017, o sector em Angola encontrava-se avaliado em US $728 Milhões, sendo abastecido maioritariamente através de importações.

Existe também uma produção insignificante de algodão, de aproximadamente 1000 toneladas nos últimos 3 anos, levando à necessidade de importação, tanto do produto em si, como das próprias sementes que são maioritariamente importadas de Espanha. Dispõe de infraestruturas preparadas para entrar em funcionamento, como uma fábrica de descaroçamento em Kwanza Sul ociosa desde 2013, ou um sistema de irrigação no Kwanza Sul que se encontra instalado desde 2009 e aguarda para entrar em funcionamento.

O mesmo se encontra na indústria têxtil, onde já existem várias fábricas prontas a funcionar, mas que se encontram paradas. As fábricas têxteis Satec (T-shirts/jeans) e Alasolla (têxteis-lar) estão instaladas, mas sem gestão. A Nova Textang II tem equipamentos modernos para produzir tecidos para uniformes, mas as operações encontram-se suspensas desde julho de 2009. 

Relativamente à área do vestuário, existem mais de 31 PME focadas no mercado de uniformes, especialmente para o sector público. Tem capacidade instalada de 18 Milhões de peças por ano no sector, mas apenas 20% dessa capacidade é utilizada. É necessário apostar na capacitação dos recursos humanos com o objectivo de aumentar a competitividade das empresas.

A indústria é praticamente inexistente no calçado, apesar da presença de 2 empresas para calçados industriais em Luanda e Malanje que se encontram paradas.